Como gostaria de ter contado, aos 18 anos, com a mentalidade que tenho hoje… Talvez muitos já tenham pensado nisso.

Quantos equívocos cometidos que poderiam ter sido evitados?

Quantas bobagens feitas por arrogância da juventude?

Quantas decisões precipitadas por carência de maturidade?

Os erros fazem parte da vida e com muitos deles aprendemos e nos podemos tornar pessoas melhores, mas se pudermos também aprender ouvindo aqueles que têm mais experiência e que carregam certa sabedoria, certamente não plena, cheia de erudição, mas, ainda sim, importante, cada um a seu modo…

Se pudermos ouvir os mais vividos e as mãos mais calejadas…

Isso envolve ouvir testemunhos de dissabores, frustrações e não apenas as conquistas de quem tem muitas histórias para nos contar…

Se pudermos criar um conexão com quem as vezes vive tão calado, meio sozinho, com problemas que não quer compartilhar para, quem sabe, poupar quem ama.

Se pudermos abrir nosso entendimento para quem tem tanta coisa para nos dizer…

Se pudermos…

Não cometer os erros que ele cometeu aprendendo com sua história de vida e aprimorar os acertos… Se pudermos ter um pouco mais de amor na forma de atenção e cuidado, além de aprendermos mais sem dor, ouvindo e meditando, também teremos a alegria ímpar de diminuir um pouco a solidão de um pai.

 

Comentar pelo Facebook

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.