Considerando que movimentos antibolsonaristas, normalmente concentrados na esquerda, decidiram adotar a mesma prática bolsonarista de PROMOVER AGLOMERAÇÃO EM MASSA, sob o pretexto de clamar por impeachment, sem dúvida aumentará a probabilidade de uma segunda onda de covid-19 mais longeva ou uma terceira onda, após um arrefecimento por medidas mais restritivas.

Abordei este assunto em reuniões de sábados na área de investimentos (risco de terceira onda covid-19) e voltarei a abordá-lo levando em conta estes últimos fatos.

As grandes aglomerações promovidas ontem por antibolsonaristas, e na semana passada por bolsonaristas, são indicadores alarmantes de que a sociedade brasileira pode estar virando refém de um radicalismo político que não mede consequências. Indicam um perigoso aumento de riscos econômicos que se amontoam com um cenário político de opções radicais para as eleições que se aproximam.

Os dois lados demonstram um desprezo macabro pela vida; claramente não estão preocupados com a dita “saúde pública” ao tratarem o problema do vírus como “ideológico”. Se esquerdistas e bolsonaristas tivessem preocupação legítima com a saúde das pessoas, não estariam promovendo aglomeração levando em conta que estamos com um índice de população vacinada muito baixo. Se a esquerda gosta da “ciência” como dizem muitos de seus porta-vozes, entrou em mais um contrassenso, coisa comum neste meio tão dissonante cognitivo, a exemplo dos demais. É irracional e irresponsável aglomerar para tratar de questões políticas sobre um problema (a pandemia) que cresce justamente com aglomerações, como faz o lado esquerdista.

É irresponsável o que faz o senhor presidente da República ao incentivar aglomerações para inflamar o eleitorado, dando uma clara demonstração de que o radicalismo é visto como essencial contra a esquerda, vindo assim a ser o caminho usado na corrida de 2022 à reeleição.

Os atos recentes de bolsonaristas e esquerdistas demonstram que ambos só estão mesmo interessados em uma coisa: PODER, custe o que custar, com a vida dos outros.

Comentar pelo Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *